Para receber as atualizações é muito simples! Basta colocar seu e-mail no campo abaixo!

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

U.S. Army tests hypersonic weapon that travels five times the speed of sound...



MailOnline - news, sport, celebrity, science and health stories

U.S. Army tests hypersonic weapon that travels five times the speed of sound... and can hit ANY target on earth in 30mins

  • U.S. may no longer rely on stationing missiles abroad
  • Prompt Global Strike project to hit anywhere in 60mins
  • Follows 15-ton bunker busting bomb by USAF
Last updated at 5:51 PM on 18th November 2011
 
A hypersonic flying missile that can strike a target anywhere in the world in just 30 minutes has been unveiled by the U.S. military.

The Advanced Hypersonic Weapon (AHW), which travels five times the speed of sound, was successfully tested yesterday.

It was launched by rocket from Hawaii at 11.30am, glided south westwards through the upper atmosphere over the Pacific at 'hypersonic speed' before hitting its target on the Kwajalein atoll in the Marshall Islands - some 2,500 miles away.

weapon

It comes hot on the heels of the U.S. Air Force announcement that it has taken delivery of eight, 15-ton bunker buster bombs, called the Massive Ordnance Penetrator, that can blow apart 200ft of concrete.

And if it is rolled out by the U.S. military, it will mean America will no longer have to rely on stationing missiles in foreign countries.


The Pentagon did not reveal how fast the AHW, which unlike traditional ballistic missiles can be manoeuvred, reached.

Launch: The weapon was fired from Hawaii, glided south westwards through the upper atmosphere over the Pacific at 'hypersonic speed' before hitting its target on the Kwajalein atoll in the Marshall Islands - some 2,500 miles awayHypersonic: The U.S. has tested a weapon, which could look similar to this Falcon HTV-2, that can strike anywhere in the world within 30 minutes of being launched
Zeroed in: The weapon, which could look similar to this Falcon HTV-2, left, was fired from Hawaii, glided south westwards through the upper atmosphere over the Pacific at 'hypersonic speed' before hitting its target on the Kwajalein atoll in the Marshall Islands - some 2,500 miles away

Spokesman Lieutenant Colonel Melinda Morgan said the test was aimed at gathering data on 'aerodynamics, navigation, guidance and control, and thermal protection technologies'.
The U.S. Army's AHW project is part of the 'Prompt Global Strike' programme.

It seeks to give the U.S. military the means to deliver conventional weapons anywhere in the world within an hour.

Project: The Pentagon test flew another hypersonic glider, dubbed HTV-2, earlier this year, which is capable of flying 16,776 miles per hour
Project: The Pentagon test flew another hypersonic glider, dubbed HTV-2, earlier this year, which is capable of flying 16,776 miles per hour

Scientists classify hypersonic speeds as those that exceed Mach 5 - or five times the speed of sound - 3,728 miles per hour.

On August 11, the Pentagon test flew another hypersonic glider dubbed HTV-2, which is capable of flying 16,776 miles per hour. But it was a failure.

Threat: USAF specialists stand under a mock-up of the new bunker busting Big Blu
Threat: USAF specialists stand under a mock-up of the new bunker busting Big Blu

The AHW's range is less than that of the HTV-2, the Congressional Research Service said in a report, without providing specifics.

Despite half the circumference of the earth at the equator measuring 12,450 miles, the maximum distance travelled by the AHW will be significantly less, as it will follow a trajectory rising into the upper atmosphere before making its descent.

The Pentagon has invested $239.9 million in the Global Strike program this year, including $69 million for the flying bomb tested yesterday, CRS said.

The news comes the day after the USAF revealed it would now be using the 15-ton bunker busting Massive Ordnance Penetrator bombs.

B-2 Stealth Bombers will use the six metre long GPS guided rocket, dubbed the Big Blu and fitted with 2.5 tons of explosives, to smash open underground bunkers and tunnels suspected of containing weapons of mass destruction.

The delivery of the super bomb, and testing of the AHW, is in the same week U.S. President Barack Obama said America would act firmly against any nuclear proliferation activities by North Korea.

And it comes as an International Atomic Energy Agency report renewed calls for a pre-emptive strike against Iran's nuclear facilities.

Read more: http://www.dailymail.co.uk/news/article-2063117/U-S-Army-tests-hypersonic-weapon-travels-times-speed-sound--ANYWHERE-earth-30mins.html#ixzz1e6Xlf7CY

domingo, 20 de novembro de 2011

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

X-47B Unmanned Combat Air System Demonstration


X-47B Demonstrator Flies in Cruise Mode for First Time 

Published: Mon October 10th, 2011 via: Northrop Grumman

EDWARDS AIR FORCE BASE, Calif., Oct. 10, 2011 (GLOBE NEWSWIRE) -- The U.S. Navy/Northrop Grumman Corporation (NYSE:NOC) X-47B Unmanned Combat Air System Demonstration aircraft reached a major milestone Sept. 30 when it retracted its landing gear and flew in its cruise configuration for the first time.


U.S. Navy/Northrop Grumman X-47B Demonstrator Flies in Cruise Mode for First Time 
Source: Northrop Grumman
Clique na foto para ampliá-la.

The flight, conducted at Edwards Air Force Base, also helped validate precision navigation hardware and software that will allow the X-47B to land with precision on the moving deck of an aircraft carrier.

"Last week's flight gave us our first clean look at the aerodynamic cruise performance of the X-47B air system…and it is proving out all of our predictions," said Janis Pamiljans, vice president and Navy UCAS program manager for Northrop Grumman's Aerospace Systems sector. "Reaching this critical test point demonstrates the growing maturity of the air system, and its readiness to move to the next phase of flight testing."


X-47B
Fonte: John Lozon
Clique na foto para ampliá-la.

The recent flight was part of an on-going "envelope expansion" program for the first of two X-47B aircraft produced by Northrop Grumman for the Navy's Unmanned Combat Air System Carrier Demonstration (UCAS-D) program. Envelope expansion flights are used to demonstrate aircraft performance under a variety of altitude, speed and fuel load conditions.

The UCAS-D program plans to begin transitioning aircraft to Naval Air Station, Patuxent River, Md. in late 2011 to begin shore-based carrier suitability testing in 2012. The focal point of the program is to demonstrate in 2013 the first aircraft carrier launches and recoveries by a tailless, low-observable-relevant unmanned system.




Northrop Grumman is a leading global security company providing innovative systems, products and solutions in aerospace, electronics, information systems, and technical services to government and commercial customers worldwide. 


Please visit www.northropgrumman.com for more information.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Forte de Coimbra: a Câmara de Tiro do 1°/6° GACos.

Por Luiz Eduardo Silva Parreira


Escadarias do Forte de Coimbra, guardadas por 2 canhões 
Whitworth, modelos 1863, de 32 libras (97mm) e 1 canhão 
Whitworth, modelo 1881, de 70 libras (127mm). O espelho 
da escada do forte é formado por granadas de Whitworth 
de 32 libras.
No último dia 13 de setembro, o Forte de Coimbra completou 236 anos de fundação. Desde sua criação até 1992; por 217 anos, o Forte teve como principal função impedir a livre navegação de navios inimigos pelo Rio Paraguai.


A despeito de estar a mais de 1.200 quilômetros do litoral, o Forte de Coimbra era até então uma unidade de Artilharia de Costa, justamente porque utilizaria seus canhões para afundar embarcações, quando ordenado. A unidade que se ocupava dessa missão era a Primeira Bateria do Sexto Grupo de Artilharia de Costa (1°/6° GACos).


Flâmula do antigo 1/6 GACos. Vê-se nela as duas maiores datas daquela praça de guerra:
1801 e 1864, que em outros posts comentaremos.

Mas atirar em um navio não é algo simples, pois os artilheiros têm de calcular o local provável que a embarcação estará depois do tiro dado pelo canhão. E isso não se faz com adivinhações, mas com cálculos. Tudo numa época pré-computadores (veja o esquema abaixo).




Portanto, até a ordem de "peça fogo!", vários militares tinham de captar dados, estudá-los, projetá-los em réguas e mesas de cálculos para então enviar essas informações aos canhões para só então eles serem disparados. Esse procedimento matemático era feito na Câmara de Tiro. E no Forte de Coimbra não era diferente.

Câmara de Tiro (plotting room) de uma unidade de Artilharia de Costa do Exército dos EUA,
utilizando uma mesa semi-cisrcular para cálculos de artilharia. Em Forte de Coimbra há uma como essa. 

Mais dados aqui.

Outra visão da mesa de cálculo.
Clique na imagem para ampliá-la.

Esquema de utilização das câmaras de tiro da artilharia de costa.
Fontes: Plotting Board e Coast Artillery fire control system.
Clique na imagem para ampliá-la.

A partir de meados do século XX o Exército Brasileiro deixou de utilizar a estrutura da fortificação em si como posição ativa de tiro e instalou no mesmo morro da fortaleza, mas num ponto mais distante (e melhor posicionado para tiros de destruição) canhões mais poderosos dos que já haviam ali. Num primeiro momento, quatro canhões Armstrong de 6 polegadas. Desativados na década de 80, foram substituídos por canhões Vickers-Armstrong, também de 6 polegadas. Perto deles, foi construída a câmara de tiro.


Local aproximado de onde se encontram a Câmara de Tiro e os P.O. do Forte de Coimbra.
Clique na figura para ampliá-la.

Os dois canhões de 6 polegadas que o Forte de Coimbra utilizou.
Da década de 40 até a de 80 (Armstrong) e dos 80 até 1992 (Vickers-Armstrong).
A foto da direita foi o último tiro de artilharia em Coimbra.
Clique na foto para ampliá-la.

A câmara de tiro de Coimbra foi construída em 1943, dentro das especificações do Plano Pratti de Aguiar, seguindo o padrão dessas estruturas que o Exército dos Estados Unidos (USArmy) fazia desde a década de 30 e que mostrou sua utilidade durante a Segunda Guerra Mundial, mais notadamente na costa dos Estados Unidos da América e nas ilhas do Pacífico.


Exemplos de construções dos EUA de defesa costeira.
São postos de observação, similares aos do Forte de Coimbra.
Fonte: SeaCost Defense
Até a vinda dos Vickers-Armstrong, os artilheiros coimbrenses faziam seus cálculos com base nos instrumentos da década de 40, como a mesa de cálculo. Já para esses "novos" canhões, o Exército Brasileiro levou para o Forte de Coimbra o telêmetro de base vertical, cuja estrutura para sua colocação ainda está no local. Projetado em 1941 pela empresa DF Vasconcelos, foi sempre empregado junto com o referido canhão nas unidades de artilharia de costa do EB. Uma peça revolucionária para seu tempo (substituiu a mesa de cálculo), mas completamente arcaica para o século XXI.

Base do telêmetro em Coimbra. Ao fundo o Vickers-Armstrong de 6 polegadas.
Arquivo: Luiz Eduardo Silva Parreira
Clique na foto para ampliá-la.
Base e telêmetro - iguais aos utilizados em Coimbra - no museu da
Brigada de Artilharia de Costa e Antiaérea - Guarujá, SP.
Acervo de Luiz Eduardo Silva Parreira.


Um telêmetro DF Vasconcellos completo, do Forte de Copacabana
Cortesia Historiador Adler H. F. de Castro.
Clique na foto para ampliá-la.
Desde 1992 que a artilharia deixou de ser a arma que guarda o Forte de Coimbra. Por conta disso, a câmara de tiro (e os pontos de observação) foram desativadas e abandonadas e hoje estão em ruínas. As fotos abaixo foram feitas em 2002. Hoje (2011) o estado das construções deve estar bem pior (fotos acervo Luiz Eduardo Silva Parreira).


Ponto de Observação (PO) tipo Pratti de Aguiar. No Brasil, mais
de 140 PO desse tipo foram construídos.


Visão do Rio Paraguai de uma das janelas blindadas do
Ponto de Observação (PO) tipo Pratti de Aguiar.







Segundo o Historiador Adler Homero Fonseca de Castro, "a existência de um PO do tipo Pratti de Aguiar indica que havia outro PO - são sempre feitos aos pares, bem afastados uns dos outros (no caso de Coimbra, deveria ser, no mínimo, quatro quilômetros e meio: a distância de base entre os POs deveria ser igual, no mínimo, a um terço do alcance da peça). Considerando a falta de elevações na região, creio que tiveram que dar um "jeitinho" e devem ter instalado o outro PO no morro em frente, do outro lado do Rio".

Transferidor de Derivas e Alças.

Mesas de cálculo.

Corretor de Direção de Tiro M-1, de 1942.

Para se operar o material de pontaria eram necessários 22 militares. Eles ficavam na câmara de tiro.







Apenas para não perder o costume, rememora-se alguns dados do Forte de Coimbra: O Forte de Coimbra é um destacamento militar do Exército Brasileiro, distante cerca de 100 quilômetros de Corumbá, às margens do Rio Paraguai, à jusante dele. Existe desde 1775 (!) e tem muita história para contar, as quais aos poucos iremos retomar, passando, inicialmente e preferencialmente, por fatos pouco lembrados, mas não menos importantes. Desde 1992 a unidade militar que administra o Forte de Coimbra é da arma de Infantaria, hoje a 3ª Companhia de Fronteira/Forte Coimbra (3ªCiaFron/FC). Antes era um quartel de Artilharia, sede da 1ª Bateria do 6º Grupo de Artilharia de Costa do Exército Brasileiro (1ª/6º GACos).

O então Sargento Parreira, que chegou a dar instrução de tiro na 
câmara de tiro do 1/6 GACos.



O "esquema de transmissões" abaixo mostra o material necessário para uma bateria de obuseiros de costa Seria o mesmo para o Forte de Coimbra, menos dois observadores.


Cortesia de Adler Homero Fonseca de Castro.
Clique na imagem para ampliá-la.


O Historiador Adler Homero Fonseca de Castro é autor do livro Muralhas de Pedra. Canhões de Bronze. Homens de Ferro. Fotos do lançamento podem ser vistas no site da Fundação Cultura Exército Brasileiro.

------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Caro leitor, Caso tenhas alguma foto ou história sobre o Forte de Coimbra. Ou então reconheça alguém numa fotografia, por favor, compartilhe conosco! Nos escreva e cite este update para que possamos manter viva a história contemporânea do Forte de Coimbra. Envie para silvaparreira@gmail.com.
Flag Counter

sábado, 3 de setembro de 2011

Heróis! Websérie sobre a FEB em Montese, 1945.

Por Luiz Eduardo Silva Parreira

Símbolo da FEB (a cobra fumando)
pela arte de Walt Disney
Aos poucos - e já mui tarde - o Brasil começa a descobrir o que foi sua participação na Segunda Guerra Mundial. Depois que os embates ideológicos deixaram de ofuscar essa participação, jovens cineastas estão vendo que a atuação da FEB pode render boas histórias.

O bom é que essa nova geração de diretores e produtores tentam mostrar algo mais com cara de documentário e alguns docudramas (arggh, que neologismo horrível!). São filmes sem muito ufanismo nem exageros. Contam a história de homens que envolvios no meio de uma guerra, tinham de sobreviver e cumprir sua missão. E cumpriram.

Alguns exemplos desas novas produções já registramos aqui, como os filmes A Montanha, Senta a Púa e A Cobra Fumou. Agora - de forma inteligente - foi divulgada a websérie Heróis. Disponibilizada pela Cinemarketing Films, os primeiros 5 capítulos podem ser assistidos abaixo:

Dados: Produção 100% Mineira que conta no seu elenco principal grandes atores mineiros como Adriano Gilberti, José Roberto Pereira e Leonardo Fernandes (eleito melhor ator de Minas pelo Prêmio Simparc 2011). A direção é do jovem Guto Aeraphe, apontado por alguns jornalistas como revelação do novo cinema independente brasileiro.

Capítulo #1
Synopses: No ar, a primeira série brasileira sobre a participação do Brasil na SegundaGuerra Mundial. Inspirado em uma história real de três pracinhas mineiros, ela irá contar em 5 capítulos semanais a saga da Força Expedicionária na sua mais sangreta batalha, a de Montese.

Capítulo #2
Synopses: Depois de sofrer um forte ataque dos alemães os soldados Baêta, Nego, Caseri, Arlindo e o sargento Max se perdem no meio da mata. Cansados, com frio e fome, eles tentam voltar para o PC aliado, mas a noite reserva uma supresa...

Capítulo #3
Synopses: Depois de uma noite tensa dormindo em uma trincheira alemã abandonada, nossos soldados ouvem alguns tiros. Sabendo que algo de errado está acontecendo o Sgt. Max manda Baêta dar uma olhada, mas ele não volta com boas notícias! Mas a maior surpresa ainda está por vir...

Capítulo #4
Synopses: Depois da desastrosa tentativa de salvar o Sd. Geraldo Rodrigues de alguns alemães resultando na morte do Sgt Max e do Sd Caseri, o restante da tropa se prepara para um ataque suicida a resistência alemã. O Sd Nêgo percebe que está sem balas e parte para um golpe de mão no tedesco. Mas o que ele não sabe é que este alemão tem muitos segredos a revelar...

Capítulo #5
Synopses: Último episódio da Websérie Heróis! Restam somento três bravos soldados brasileiros, Arlindo, Geraldo e Baêta, mas sua situação não é nada animadora. Depois de percorrer quilômetros perdidos, tentando voltar para o PC aliado, eles tem de enfrentar, quase sem munições, os alemães vários alemães que cruzaram seu caminho...


Site ofical: http://www.heroisdafeb.com.br


Um pouco mais sobre a FEB na Itália pode ser visto no sit do Prof. Rudnei.





quarta-feira, 31 de agosto de 2011

A propaganda & Serviço Militar ...

Por Luiz Eduardo Silva Parreira

Quem nunca se encantou com alguma propaganda na TV? Com certeza todos nós. Seja um objeto de desejo, um sonho que pode ser realizado, uma aventura; enfim, a propaganda nos prende quando nos atinge naquilo que mais amamos e queremos. É como se ela tivesse sido feita para nós.

A propaganda visando o alistamento militar também deveria ser assim. Tinham de mostrar a atividade fim das forças armadas e que o jovem pretendente teria a chance de fazer, na vida real, o que ele viu na propaganda. Mesmo que muitas coisas não funcionassem 100% iguais às imagens filmadas. Mas e daí? Realidade full é para jornal e filme europeu. O negócio da propaganda é ser Hollywood. É encantar. 

Dar ao público alvo a ideia de que está entrando numa força especial, de camaradas, de homens e mulheres que podem voar, ostentar seus uniformes. Que fazem parte de uma grupo seleto.

Não é enganar, pois, afinal, qualquer pessoa sabe que não se atira, nem voa nem se nageva todos os dias. Mas, sim, que em muitos momentos da vida profissional daquele sujeito, ele vai poder agir como um combatente.

Aos que têm vocação, bastam meias palavras. Mas aos que têm de ser convencidos, a propaganda bem feita faz diferença.

E com isso em mente, vê-se que as nossas propagandas para alistamento e chamamento para a vida na caserna estão muito aquém das que se vê em outros países. Deem uma olhada nos exemplos abaixo. Mas primeiro, as pratas da casa ...

Forças Armadas Brasileiras

Forças Armadas Brasileiras

Marinha do Brasil

Agora, as que outros países produzem:

U.S.Air Force (EUA)

República Tcheca

U.S. Marine Corps (EUA)

U.S. Army (EUA)

U.S. Army (EUA)

Singapore Navy

Singapore Army

Marinha Holandesa

Gente capaz e boas ideias as nossas Forças Armadas têm. E como vai se gastar mesmo com propaganda, bem que se poderia caprichar mais nelas, porque, aquelas dos soldados de cabeça para baixo é lamentável. E prova de que se faz coisa boa é esta antiga, do Exército Brasileiro. POWERS!!!

EXÉRCITO BRASILEIRO

Quando se quer, sai coisa excelente!

... mas, e ai, tinha visto os guerreiros ;-p?


sábado, 27 de agosto de 2011

Dreams ...

Por Luiz Eduardo Silva Parreira

Quando os Blue Angels fizeram 40 anos, em 1986, alguém sugeriu fazer um clip da música Dreams, do Van Halen, com imagens aéreas dos Blue Angels, a equipe de demonstração aérea da U.S.Navy.

O clip ficou excelente!

Na época eles voavam os A-4 Skyhawk. Hoje voam os poderosos F/A-18 Hornet.




Quem me dera ver algo assim no Brasil ... sim, porque aquele clipe do EDA com o Caetano Veloso ninguém merece!


quinta-feira, 18 de agosto de 2011

"Corações sujos" virou filme.

Quando do fim da Segunda Guerra Mundial, alguns japoneses que haviam imigrado para o Brasil não aceitaram a derrota japonesa. Mas essa situação não ficou apenas na falta de aceitação desse grupo. Eles chegaram a matar alguns imigrantes que simplesmente aceitaram a realidade, apesar de dura: pela primeira vez em 2000 anos de história, o Império japonês havia perdido uma guerra.

Essa inusitada história - que já foi retratada em livro - agora virou filme. Vamos ver no que vai dar ...



Mas essa não é a única história interessante envolvendo o Brasil, japoneses e a Segunda Guerra Mundial. Mora no país Hiroo Onoda, o mais famoso dos holdout, qualificação daqueles soldados japoneses que continuaram a lutar pelo seu país, DEPOIS do fim da Segunda Guerra Mundial, porque não ficaram sabendo que a guerra havia acabado. E como o Japão nunca tinha perdido uma guerra, pela lógica, se não foram avisados, "por óbvio" que o Império ainda estava em guerra, ora bolas!

Uma das muitas reportagem sobre esse soldado pode ser lida abaixo (fonte Veja.com):

História 
A batalha do Senhor Onoda
Ele só se rendeu 29 anos depois do fim daII Guerra. Mudou-se para o Brasil, enriqueceu
no campo e lucra com sua história

Marcelo Bortoloti, de Campo Grande, MS 






O japonês Hiroo Onoda é um homem obstinado. Há 32 anos, quando chegou ao Brasil, queria tornar-se pecuarista mesmo sem entender nada do assunto. Enriqueceu trabalhando até a madrugada. Hoje, quando passeia por sua fazenda, a 70 quilômetros de Campo Grande, em Mato Grosso do Sul, o que vê é um rebanho gordo, com 1.700 cabeças de gado. 

Mas não é esse o principal exemplo de sua tenacidade. Antes de chegar ao país, Onoda foi tenente do Exército japonês. Movido pela certeza de que estava cumprindo o seu dever, lutou durante 29 anos nas selvas de uma pequena ilha, sem nenhum descanso, e também sem suspeitar que a guerra já havia acabado. Ele e sua reduzida guarnição mataram trinta pessoas e feriram mais de 100, ação pela qual Onoda foi perdoado pelo presidente das Filipinas em 1974, quando se rendeu. No jargão militar, o ex-tenente é um holdout, termo usado para designar alguns poucos militares japoneses que, alheios ao fim do conflito, continuaram lutando depois da II Guerra até a última bala, ou enquanto sua espada estivesse inteira. Onoda, que se refugiou no Brasil porque muitos conterrâneos na época o consideraram maluco, não foi o holdout que permaneceu mais tempo em combate. Entretanto, foi o que se tornou mais famoso e o único que ainda hoje colhe frutos de sua experiência singular. Onoda já escreveu cinco livros sobre o tema. 

O primeiro deles, Os Trinta Anos de Minha Guerra, teve uma pequena tiragem no Brasil e foi traduzido para dezessete países. Além disso, mantém no Japão a Fundação Onoda, que ensina jovens estudantes a sobreviver na selva com recursos naturais – e que espantosamente consegue atrair turmas de até oitenta jovens por temporada. Também profere anualmente uma média de cinqüenta palestras sobre sua experiência. Cobra 50.000 ienes por palestra, algo em torno de 900 reais, o que não é muito, mas, no conjunto, significa um extra de 45.000 reais por ano e ajuda a propagar a sua história. Por causa dessa farta atividade, além dos prósperos negócios em Mato Grosso do Sul, o ex-combatente construiu uma casa de seis andares em Tóquio, algo incomum para os padrões japoneses, e passa dois terços do ano por lá.


Fotos Anderson Schneider
Passeio a cavalo pela fazenda: 1 700 cabeças de gado no Brasil


Onoda não tem porte típico de militar – mede 1,59 metro e pesa 48 quilos. Prestes a completar 85 anos, traz no rosto um sorriso fácil e afável, mas até hoje não aprendeu a falar português. Mal parece o protagonista de uma das histórias mais dramáticas e inusitadas da literatura militar. Em 1944, quando tinha 22 anos, foi enviado para sua primeira missão na Ilha de Lubang, nas Filipinas. Tinha ordens de não se render sob nenhum pretexto, e as levou a cabo. Mesmo depois que os americanos tomaram a ilha, permaneceu combatendo escondido na mata. No ano seguinte, quando a guerra terminou, aviões soltaram panfletos alertando os resistentes de que deveriam cessar fogo. Treinado em atividades de espionagem e guerrilha, Onoda não deu crédito ao recado – concluiu tratar-se apenas de um embuste do inimigo. Sem nenhum equipamento de rádio, nos anos seguintes ele e outros três soldados levaram adiante diversas ações de guerrilha e sabotagem. A ilha era então habitada por 5.000 filipinos, que sentiram na pele cada manobra dos japoneses. "Defendemos uma faixa de terra onde era mais fácil o nosso Exército entrar. Quem se aproximasse levava tiro. Ficamos ali esperando reforços, que nunca apareceram", diz Onoda.

Entrega da espada ao presidente das Filipinas: em 1974, a rendição

Um de seus companheiros decidiu entregar-se poucos anos depois. Os outros dois comparsas morreram em tiroteio com residentes locais. Sozinho, Onoda se esquivou de qualquer novo golpe do "inimigo". Sinais externos sugeriam a ele que o conflito permanecia. De tempos em tempos, nuvens de aviões americanos cruzavam o céu, e, então, o tenente disparava seu rifle contra aeronaves a caminho da Guerra da Coréia e, mais tarde, do Vietnã. Depois de ser dado como morto na década de 60, foi descoberto por um jornalista japonês em 1974. 

Apesar da insistência, não quis se render até que um superior seu fosse levado à ilha para dar ordens de entregar as armas. Onoda tinha então 52 anos, trazia ainda o uniforme completo e o velho rifle funcionando. "Foram trinta anos sem nenhum motivo de alegria. Também não havia tempo para ficar lamentando, o dia inteiro era preciso pensar na sobrevivência", diz Onoda, que se alimentava de caça e bananas. Até hoje a causa militar parece persegui-lo. Parte de suas terras em Mato Grosso do Sul é usada para treinamento da Força Aérea Brasileira. Semanalmente, helicópteros baixam em seus pastos para manobras diversas. Nada, é claro, capaz de assustar Hiroo Onoda.