Para receber as atualizações é muito simples! Basta colocar seu e-mail no campo abaixo!

terça-feira, 31 de julho de 2012

U.S. Navy Rethinks The Silent Service


The U.S. Navy is rethinking how it will use its submarines in a future Pacific War. The problem is that a campaign against Chinese shipping is unlikely, in part because of what actually happened during the last great anti-shipping campaign, which occurred during World War II (1939-45). After the war, the U.S. analyzed its operations against Japanese shipping and found that submarines were important, but not the only weapon effective against shipping. Some 8.9 million tons of Japanese shipping was sunk or so seriously damaged (disabled) at the end of the war. Submarines accounted for 54.7 percent of this. But 16.3 percent was attributable to carrier-based aircraft, 14.5 percent to land- based planes and 9.3 percent to mines (most dropped by B-29s). Less than one percent was due to surface gunfire, and the balance of 4 percent was caused by accidents.

Because of their ability to operate in enemy-controlled (mainly by land-based aircraft) waters, submarines accounted for about 60 percent of the damage until the final months of the war. Then, during late 1944, carrier task forces went deep into enemy controlled areas, defending themselves against land-based warplanes and sinking a large numbers of ships. After April, 1945 Japanese shipping was restricted to the Korean and Manchurian runs and to shallow coastal waters. At this point the naval mines dropped by B-29s in Japanese harbors and inland waterways accounted for 50 percent of all ships sunk or damaged. That was then, but sixty years later the United States is able to monitor large ocean areas and has aircraft that are able to hit anything that's spotted.  

Meanwhile, the U.S. has adopted a new approach to any potential war with China. The U.S. Department of Defense has been told that, for the foreseeable future, there will be no more large-scale land campaigns. The air force, navy, and marines responded with a plan (AirSea Battle) that has been in the work for years. The new strategy is designed to cope with the rising power of China in the Pacific. AirSea Battle involves tighter planning and coordination of navy, marine, and navy forces, plus the development of some new weapons and tactics and cooperation with allies.

AirSea Battle has been widely accepted, as China continues to make all its neighbors nervous. That's because the Chinese name for China translates as "middle kingdom" as in "China is the middle of the world." The Chinese government, a communist dictatorship by any other name, is using nationalism to keep its pro-democracy opposition off balance. China has border disputes, expressed or implied, with all its neighbors. This has made the neighbors uneasy, especially as Chinese military forces have been modernized and more aggressive over the last decade.

While Air-Sea Battle was developed to keep the United States out of extensive land combat (the navy still has commandos and marines for brief operations ashore), those kinds of wars tend to show up when you least expect, want, or are prepared for them. For the moment, U.S. military planners believe they can avoid a large land war.

The U.S. Navy has been studying (and wargaming) the situation and that included an examination of American submarine use since World War II. After the 1960s, the U.S. shifted to using only nuclear propelled submarines. During the Cold War (1948-91), American subs were meant for use in defeating the growing Soviet (Russian) fleet. That force disappeared in the 1990s. At that point the Chinese fleet got larger and modernized, but is still nowhere near the size of the Soviet Navy. But this time the U.S. was facing a major trading nation. Unlike Russia, which was largely self-sufficient (or could get what it needed overland from neighbors), China requires thousands of ships a year to handle exports and imports. Like Japan during World War II, China is vulnerable here.

AirSea battle concentrates on military operations. But these will be heavily influenced by economic factors. For example, during World War II the United States was a largely self-sufficient "continental power." We exported much (more than any other nation on the planet), but did not have to import much. That has changed. Now the U.S. has to import a lot of its oil, special raw materials (like "rare earths" from China) and a lot of manufactured goods. The U.S. is now like much of the rest of the world, China included. If there were a maritime blockade of China, the U.S. and many other Chinese trading partners would suffer severe economic disruptions. There would be massive unemployment for all concerned and that would happen despite energetic efforts by everyone to find alternative sources to goods no longer available because of the disruption of the China trade.

Then there is the risk of nuclear war. Since the first nuclear weapons were used in 1945, there has been the longest period of peace between major powers in human history. These days a "major power" is one that has nuclear weapons and can deliver them against other nuclear armed nations. Thus any maritime blockade of China will be a very risky undertaking. That said, it can be done without submarines. Simply order the Western maritime insurance companies to withdraw insurance for ships or cargoes entering or leaving China. That will have immediate effect. China can scramble to try and replace the insurance covering, but along with the "insurance bomb" comes the U.S. declaration that the coastal waters of China are now under blockade and any ship ignoring that is subject to attack. It goes downhill from there, until compromise and moderation replace the war fever.

Meanwhile, the nuclear submarine community has done the math and found that their greatest contribution these days is not attacking enemy warships, but land bombardment with cruise missiles and intelligence collecting. Since the first nuclear subs showed up in the 1950s, only one, a British boat, has used a torpedo to sink a hostile warship. But hundreds of cruise missiles have been launched at land targets and uncounted (because they are highly classified) intelligence missions have been, and continue to be, carried out. All that is the recent past for subs, and is likely to be the future as well. World War II in the Pacific is not likely to be rerun. The U.S. Navy still expects its subs to go after enemy warships, and its surface and air forces to battle enemy subs. But a major war on shipping is much less likely.

July 6, 2012

segunda-feira, 9 de julho de 2012

E o sul do Mato Grosso foi às armas!

Por Luiz Eduardo Silva Parreira

9 de julho é feriado em São Paulo. É quando se comemora o início da Revolução Constitucionalista de 1932. Tudo para em respeito aos que lutaram e tombaram nesse conflito, que não visava à separação de São Paulo do Brasil (como difundiu a propaganda difamatória de Getúlio Vargas), mas o contrário. Irrompeu-se a luta armada buscando uma nova Constituição para o país, para tirá-lo do atraso, da insegurança jurídica e do despotismo federal pós-Revolução de 30.

 O coração bandeirante ainda bate forte, 80 anos depois, em razão dos feitos de seu povo que, em alguns pontos, antecipou os acontecimentos que ocorreriam quase dez anos depois, durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos da América: toda a  economia voltada para a guerra; mulheres substituindo os  homens em tarefas industriais, pois estes estavam nos campos de batalha e o mais emocionante, a mobilização voluntária de toda a sociedade para o conflito. Em 3 dias, mais de 30.000 homens se alistaram nas fileiras paulistas!

São Paulo, em defesa da Constituição, produziu, improvisou e adaptou de tudo: granadas, capacetes, munições, morteiros e canhões. Uma imensa rede de civis auxiliava os soldados, não deixando que nada lhes faltasse, até o limite dos suprimentos, cuja escassez foi um dos motivos de os paulistas terem perdido o conflito. Senhoras cosiam meias e toucas, pois era julho, inverno. Escoteiros levavam correspondências. E é justamente um escoteiro o mais jovem soldado morto em combate na Revolução de 32,  ALDO CHIORATTO, de 9 anos e meio de idade, morto durante bombardeio aéreo em Campinas.

Invenções paulistas: granadas, carro lança-chamas, canhões ferroviários e trem blindado.
Entretanto, poucos se lembram que não só São Paulo foi às armas. O sul do Mato Grosso também foi! Campo Grande, Bela Vista, Ponta Porã, Porto Murtinho, Ladário, Três Lagoas, Paranaíba, Coxim enviaram tropas ou foram palcos de combates nos quais até aviões foram utilizados em ataques às tropas adversárias.
Uma aeronave igual aesta participou dos combates no sul do Mato Grosso: Curtiss O1-E Falcon. 
Alguns historiadores chegam a citar mais de 3.000 homens envolvidos diretamente nas lutas no território do Estado de Maracaju, nome adotado pelo sul do Mato Grosso durante o conflito. Era o sonho divisionista que se concretizava por via das armas e que durou enquanto duraram suas munições: três meses. 

E justamente por conta da necessidade de abastecimento; em virtude de o porto de Santos ter sido bloqueado por navios de guerra leais a Vargas, é que restou como a única alternativa paulista de abastecimento e escoamento a utilização da antiga rota de suprimentos das terras localizadas no centro da América do Sul: Rio Paraguai-Rio Paraná-Estuário do Prata-Oceano Atlântico, cujo principal ponto logístico possível de controle pelos constitucionalistas era a cidade de Porto Murtinho.

Porto Murtinho fica às margens do Rio Paraguai. Dali se podiam receber mantimentos vindos de diversas fontes, como o Paraguai e do Chile; estes, via aérea e pousando na Fazenda Campanário, que tinha uma linha férrea que ligava a sua sede até a cidade e seu porto.
Para lá se dirigiu a famosa Coluna de Bronze, formada por constitucionalistas do sul do Mato Grosso, que utilizaram dois canhões de montanha franceses Schneider, de 75mm. Como parte do suporte paulista ao avanço de seus aliados mato-grossenses para tomar a cidade, enviou-se um caça Curtiss Falcon, que atacou as tropas federais nos arredores de Porto Murtinho. Dias antes, os paulistas já haviam bombardeado a Base Naval de Ladário, com o mesmo tipo de aeronave. 

As tropas legalistas, com mais de 1.200 combatentes, contra-atacavam os constitucionalistas da Coluna de Bronze com pesado fogo dos canhões e morteiros do Monitor Fluvial Pernambuco. Segundo cronistas da época, como Umberto Puiggari, a batalha por Porto Murtinho a adjacências deixou mais de 300 mortos e a cidade parcialmente destruída.

Monitor Pernambuco, da Marinha do Brasil, que atacou Porto Murtinho, em 1932. 
Armamento: 2 canhões L/45 de 4.7 pol. (120 mm) em uma torre couraçada avante; 2 canhões Nordenfelt de 57 mm; 2 canhões automáticos Maxim de 37 mm. Fonte: Navios de Guerra Brasileiros
Já as forças que combateram em Três Lagoas e Paranaíba conseguiram impedir que reforços do norte do Mato Grosso e Goiás cercassem as forças bandeirantes. J. Barbosa Rodrigues comenta que ali também os combates foram ferozes. 

E em território paulista, no teatro conhecido como Frente Sul, forças do Batalhão Taunay, de Campo Grande e do 11º Regimento de Cavalaria, de Ponta Porã, lutaram para impedir que tropas vindas do sul do país entrassem em São Paulo.


Batalhão Taunay, constituídos por voluntários de Campo Grande, MS. Na época,  Campo Grande, capital do Estado de Maracaju, dissolvido e reintegrado ao Estado de Mato Grosso, depois do conflito.
Acervo pessoal de Luiz Eduardo Silva Parreira.
Com efeito, 9 de Julho é uma data que também afetou a vida dos habitantes das terras hoje sul-mato-grossenses. Segundo o ex-Governador de Mato Grosso do Sul, Wilson Barbosa Martins, o clima na cidade de Campo Grande era de empolgação. Os professores iam dar aulas de farda e capacete. Mais de 800 homens se apresentaram para alistamento num único dia.

Cartaz da época, com as bandeiras de São Paulo e Mato Grosso.
Os combatentes do sul do Mato Grosso eram em sua maioria, soldados-cidadãos: homens comuns, de diversas profissões. Havia brasileiros e paraguaios; descendentes de japoneses, libaneses e alemães; índios, negros, brancos, pardos. Foi a nossa pequena guerra mundial, na qual todos os povos que aqui moravam pegaram em armas para a defesa da legalidade. Como lembra Puiggari, a insegurança jurídica no sertão sul do Mato Grosso era tamanha que até juízes eram intimidados com os famosos “saltos”: sua transferência de comarca quando incomodava algum apadrinhado do governo getulista.

Mas a superioridade numérica governista era evidente e depois de três meses de combates, São Paulo capitulou. No início de outubro de 1932, os paulistas cessaram fogo... mas o sul do Mato Grosso não. Aqui a luta durou até o fim daquele mês, quando a cidade de Bela Vista se entregou ao Tenente-Coronel Francisco Gil Castelo-Branco.
Desfile de 7 de Setembro de 1939, em Campo Grande, então MT. Naquele ano,  essas tropas eram do 3º Grupo de Artilharia de Dorso. Mas em 1932, esta unidade era o 1º Grupo do Regimento de Artilharia Misto, que lutou em terras paulistas. Fotos: Arquivo pessoal de Luiz Eduardo Silva Parreira.
E diferente de São Paulo, lamentavelmente em Mato Grosso do Sul, especialmente em Campo Grande, pouca coisa existe hoje que lembre estes feitos. Daquela época ainda estão de pé (e não se sabe até quando) o prédio do Quartel-General, na Avenida Afonso Pena, de onde partiram as primeiras ordens do General de Brigada Bertholdo Klinger, Comandante Militar do Movimento; a loja Maçônica da Avenida Calógeras, que sediou o Governo do Estado de Maracaju, tendo como Governador o Dr. Vespasiano Martins; o canhão Schneider de 75 mm na frente do 2º/9º BSup, que acompanhou a Coluna de Bronze; o quartel do 18ºBlog, que sediou o 18º BC, cujos soldados lutaram bravamente em diversas frentes. Será que tais monumentos não mereceriam ao menos uma placa indicativa? Fazendo justiça ao prédio maçônico, ali há uma, colocada por iniciativa própria da entidade. Mas e nos demais pontos?

O canhão Schneider do BSup, a loja maçônica da Avenida Calógeras e o ex-Quartel General da 9ª RM, hoje sede de outras OM e da ADESG/MS.
Enfim, mais um 9 de Julho em São Paulo, quando os paulistas honram seus combatentes-cidadãos. Mais um 9 de Julho em Campo Grande, que parece fazer questão de esquecer sua história de pouco mais de 100 anos, por descaso.


Texto originalmente publicado no jornal Correio do Estado, em 09/07/2010
Flag Counter